Pós-Graduação

O Novo Programa de Pós-Graduação

Baseados em sugestões e considerações da Pró-Reitoria de Pós Graduação da UNIFESP, sobre a necessidade de criação e manutenção de Programas de Pós-Graduação de nível de excelência e que contemplem Áreas de Concentração e Linhas de Pesquisa comuns entre diversas Disciplinas e Departamentos, constatamos a necessidade de adequar o Programa de Pós-Graduação do DOT aos novos critérios da UNIFESP.

Assim, os Programas de Pós- Graduação da Disciplina de Cirurgia Plástica, do Departamento de Ortopedia e Traumatologia e da Disciplina de Cirurgia Cardíaca da UNIFESP se fundiram em um único Programa, agora denominado: Programa de Pós Graduação em Cirurgia Translacional

A fusão dos três Programas está vigente desde 2011, tem linhas de pesquisa abrangentes que permitem o desenvolvimento de estudos com diversos desenhos metodológicos nas áreas de pesquisa básica ou clínica.

As áreas de concentração e linhas de pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Cirurgia Translacional:

1 – MEDIÇÃO DE DEFORMIDADES OSTEOARTICULARES

1.1 – Métodos de medição em deformidades dentofaciais
1.2 – Instabilidades Articulares

2 – QUALIDADE COMO MÉTODO DE AVALIAÇÃO

2.1 – Auto estima, imagem corporal e depressão e sexualidade
2.2 – Capacidade funcional, dor e atividade física
2.3 – Custo efetividade e gestão em cirurgia
2.4 – Medicina baseada em evidências.

3 – REGENERAÇÃO TECIDUAL ECTO E MESODÉRMICA

3.1 – Estresse oxidativo e modelos experimentais em transplantes
3.2 – Instrumentos de medição da regeneração tecidual e nervosa
3.3 – Desenvolvimento de técnicas minimamente invasivas
3.4 – Cultura e terapia celular e células tronco aplicadas a cirurgia

As atividadess da Pós-Graduação

As reuniões oficiais do Programa de Pós Graduação em Cirurgia Translacional (PPGCT) acontecem todas as segundas-feiras das 15hs as 17:30hs no anfiteatro do 150 andar do HSP ou no Anf. Boris Casoy (Rua Botucatu 821), e é obrigatória para todos os orientadores, co-orientadores, alunos e candidatos a pós-graduação do programa.
Nas segundas feiras das 18hs as 21hs temos o Curso de Aperfeiçoamento em Metodologia Científica que visa oferecer formação de metodologia e apoio para desenvolvimento de projetos de pesquisa, e é direcionado a todos os candidatos a pós-graduação do programa.

Nas terças-feiras das 7hs as 8:15hs temos o curso de atualização em metodologia e pesquisa do DOT que é realizado no Anf. Lemos Torres, idealizado para ser um fórum de discussões sobre metodologia de pesquisa, novos projetos e estimular e agregar os integrantes do DOT que tenham interesse em participar como alunos, co-orientadores ou orientadores do novo Programa de Pós-Graduação em Cirurgia Translacional, é muito importante que todos que tenham interesse participem deste fórum e exponham seus projetos e dificuldades para que as ideias sejam debatidas e novos projetos sejam efetivados.

Ainda, cada orientador tem o calendário das atividades de seu grupo da sua linha de pesquisa (laboratório, reuniões científicas, de projetos e outras atividades) que é própria ao orientador e pode ser acessada mediante contato com o orientador.

Corpo Docente – Orientadores do Programa de Pós-graduação em Cirurgia Translacional

Critérios para avaliação CAPES dos Programas de Pós Graduação

O Sistema de Avaliação da Pós-graduação foi implantado pela CAPES em 1976 e desde então vem cumprindo papel de fundamental importância para o desenvolvimento da pós-graduação e da pesquisa científica e tecnológica no Brasil, dando cumprimento aos seguintes objetivos:

  • estabelecer o padrão de qualidade exigido dos cursos de mestrado e de doutorado e identificar os cursos que atendem a tal padrão;
  • fundamentar, nos termos da legislação em vigor, os pareceres do Conselho Nacional de Educação sobre autorização, reconhecimento e renovação de reconhecimento dos cursos de mestrado e doutorado brasileiros – exigência legal para que estes possam expedir diplomas com validade nacional reconhecida pelo Ministério da Educação, MEC;
  • impulsionar a evolução de todo o Sistema Nacional de Pós-graduação, SNPG, e de cada programa em particular, antepondo-lhes metas e desafios que expressam os avanços da ciência e tecnologia na atualidade e o aumento da competência nacional nesse campo;
  • contribuir para o aprimoramento de cada programa de pós-graduação, assegurando-lhe o parecer criterioso de uma comissão de consultores sobre os pontos fracos e fortes de seu projeto e de seu desempenho e uma referência sobre o estágio de desenvolvimento em que se encontra;
  • contribuir para o aumento da eficiência dos programas no atendimento das necessidades nacionais e regionais de formação de recursos humanos de alto nível;
  • dotar o país de um eficiente banco de dados sobre a situação e evolução da pós-graduação;
  • oferecer subsídios para a definição da política de desenvolvimento da pós-graduação e para a fundamentação de decisões sobre as ações de fomento dos órgãos governamentais na pesquisa e pós-graduação.

Os dois processos – avaliação dos programas de pós-graduação e avaliação das propostas de novos programas e cursos – são alicerçados em um mesmo conjunto de princípios, diretrizes e normas, compondo, assim, um só Sistema de Avaliação, cujas atividades são realizadas pelos mesmos agentes: os representantes e consultores acadêmicos.

O Sistema de Avaliação abrange dois processos conduzidos por comissões de consultores do mais alto nível, vinculados a instituições das diferentes regiões do país: a Avaliação dos Programas de Pós-graduação e a Avaliação das Propostas de Cursos Novos de Pós-graduação.

A Avaliação dos Programas de Pós-graduação compreende a realização do acompanhamento anual e da avaliação trienal do desempenho de todos os programas e cursos que integram o Sistema Nacional de Pós-graduação, SNPG. Os resultados desse processo, expressos pela atribuição de uma nota na escala de “1” a “7” fundamentam a deliberação CNE/MEC sobre quais cursos obterão a renovação de “reconhecimento”, a vigorar no triênio subseqüente.

O Programa de Pós-Graduação em Cirurgia Translacional, está inserido dentro da área de Medicina III da CAPES, e está avaliado como um programa de excelência tendo obtido Nota 6 na avaliaçãoo do último triênio.

Critérios para se candidatar a Aluno do Programa de Pós Graduação em Cirurgia Translacional.

Para efetivar a matrícula como aluno do nível de mestrado acadêmico ou doutorado, o candidato deve cumprir os seguintes requisitos:

  1. Ter graduação completa em instituição de ensino superior reconhecida pelo MEC, na área de ciências biológicas e proficiência em língua inglesa.
  2. Ter pelo menos uma publicação em periódico indexado (Mestrado) e publicação do mestrado em revista indexada ISI (Doutorado).
  3. Ter projeto de pesquisa aprovado pelo Comite de Ética pertinente, com demonstração de Fonte de Fomento e de viabilidade de finalização do projeto dentro dos prazos estipulados para o nosso programa ( mestrado 18 meses e doutorado 36 meses).
  4. Frequentar o curso de aperfeiçoamento e capacitação em metodologia científica (Mestrado – segundas-feiras 18-21hs), reunião regular da PG (Todos- segundas-feiras 15-17:30hs) e reunião de integração do DOT (Todos- terças-feiras 7 – 8:15hs).

Critérios para se candidatar a Orientador do Programa de Pós Graduação em Cirurgia Translacional

É muito importante que hajam dentro de nosso Departamento novos colegas que possam atuar dentro deste novo programa de pós-graduação como orientadores, como forma de ampliarmos nosso campo de pesquisa e influência dentro do cenário nacional e internacional. Assim, como forma de fornecer um guia dos elementos mais importantes para se efetivar e manter-se como orientador do programa, destacamos as seguintes características:

  1. Ter concluído o doutorado e apresentar linha de pesquisa consistente comprovada mediante regularidade de publicações e pelo menos duas co-orientações de teses no último triênio.
  2. Publicação trienal de no mínimo 4 artigos em periódicos Qualis A ou B, sendo pelo menos 2 artigos Qualis A.
  3. Ter linha de pesquisa definida, com pelo menos 3 projetos de pesquisa já em fase de execução e que permitam seu término e publicação dentro da avaliação trienal.
  4. Apresentar pelo menos 1 captação de recursos trienal, preferencialmente por Agências de Fomento Governamentais.

Os fatores de impacto, definidos pela CAPES para a área de Medicina III, são os seguintes:

Atenciosamente,

Prof. João Carlos Belloti
Coordenador da Pós-Graduação do DOT EPM/UNIFESP